O papel da mudança do RH em um mundo de Inteligência Artificial

O papel da mudança do RH em um mundo de Inteligência Artificial
Data: 17/08/2018

Vivemos em uma época em que talvez haja mais foco do que nunca em como uma organização trata seus funcionários. Histórias sobre diferenças salariais baseadas em gênero, falta de diversidade e assédio sexual são notícias de primeira página em todo o mundo. A consequente indignação dos acionistas e do público prejudicou os preços e a reputação das ações, com um número siginificativo de executivos de alto escalão perdendo seus empregos como resultado.

Se alguma vez houve uma época em que os líderes de RH precisavam se envolver mais ativamente nos níveis mais altos da empresa, o momento é esse. O valor que um grande executivo de RH pode trazer para uma organização é enorme, desde a prevenção da perda de reputação até o aumento do engajamento e da produtividade dos funcionários e a bússola moral de uma organização.

Para fazer isso de maneira eficaz, os executivos de RH precisarão desenvolver uma compreensão profunda da tecnologia, tanto em termos de como ela está transformando o ambiente dee trabalho, quanto em como ela está mudando a natureza da própria função de RH.

Tecnologia como condutora do ambiente de trabalho

A tecnologia é difundida na vida cotidiana, e isso cria expectativas por parte dos funcionários de que eles terão a mesma conveniência e flexibilidade com a tecnologia no local de trabalho. Não se trata apenas de facilidade de uso e mobilidade: eles também esperam ter um forte componente social que os permita ver, compartilhar, inovar e engajar-se na organização, no tempo e na distância.

Na maior parte do tempo, no entanto, a tecnologia no local de trabalho não corresponde ao que os funcionários possuem e usam. Quando as pessoas se acham usando a tecnologia que consideram limitadora, e isso corta esse contato social constante, isso pode levar à frustração e às demandas das empresas para repensar a tecnologia no local de trabalho.

Dada a concorrência pelos melhores funcionários, é importante, tanto para a retenção quanto para a produtividade, que os executivos escutem essas demandas. Afinal, essas tecnologias estão desafiando o engajamento das nossas normas estabelecidas e são a chave para tornar um ambiente de trabalho menos hierárquico, mais aberto e, portanto, mais propenso a ser inovador. O RH é o canal para essa mensagem chegar aos executivos, juntamente com um forte conselho sobre como atender a essas demandas (e as conseqüências por não fazê-lo). 

Ao mesmo tempo, algumas das tecnologias de ponta que estão se tornando parte do ambiente de trabalho também criam incerteza e estresse para os funcionários. Se você pensar sobre o que está acontecendo com a inteligência artificial, com a robótica e como isso mudará o local de trabalho e os empregos das pessoas, você poderá ver porque os funcionários se preocupariam. Eles estão se perguntando se haverá um lugar para eles no local de trabalho, como devem se preparar para essas mudanças.

Novamente, os trabalhadores do lugar (e seus gerentes) esperam fornecer essas respostas é o RH. Isso significa ter uma sólida compreensão das implicações dessa tecnologia e fornecer informações e orientação aos funcionários.

Tecnologia como ferramenta de valor

É muito importante para o RH ter a tecnologia necessária para fornecer os dados e insights que ajudarão os líderes a entender o que está acontecendo com a força de trabalho e como aumentar o desempenho.

Só a “intuição” já não é mais suficiente para se ter uma noção como as coisas estão indo - assim como outras partes da organização, o RH precisa ser liderado por dados. Há oportunidades de obter insights a partir de dados internos da empresa, bem como da extração de itens como postagens de mídia social, usando os produtos de HCM - Human Capital Management da Oracle. A Oracle vem aplicando sua longa experiência em tecnologia, bem como trabalhando com parceiros para desenvolver ferramentas específicas para ajudar a desenvolver, sustentar e medir a produtividade de grandes funcionários.

Como isso está se tornando uma função orientada por dados, os diretores de RH precisam construir um ótimo relacionamento com as pessoas que conhecem a tecnologia em suas organizações e com especialistas de fora também. Eles precisam conversar com seus colegas em TI e operações, de modo que as decisões sobre tecnologia em toda a organização sejam feitas de forma a garantir que as necessidades do RH sejam incluídas. Em suma, as habilidades que um diretor de RH precisa estão mudando, e se você não entende os dados, está no emprego errado.

Há outra razão poderosa para os líderes de RH construírem esses relacionamentos e terem essas conversas, especialmente com colegas de marketing. Por quê? O marketing tema função de ouvir os clientes e usar dados para isso. O RH também precisa ouvir os funcionários e aprender como usar os dados para o propósito - e ser tão inovador e desafiador no que eles oferecem aos funcionários quanto o marketing é para os clientes.

Mantendo a Bússola Moral

Além de seu papel no recrutamento, retenção e engajamento - ou, talvez mais precisamente, por causa desse papel - o RH é o provedor natural da bússola moral no nível do conselho.

Os líderes de RH estão em posição (e têm a obrigação) de falar a verdade ao poder, e sempre estarem cientes, considerar e levantar questões de comportamento ético. Mais uma vez, isso requer uma profunda compreensão e capacidade de articular o impacto da tecnologia em uma organização e particularmente em seu pessoal - e fazer perguntas difíceis sobre quais dados estamos capturando e como os utilizamos.

A tecnologia pode permitir que as empresas monitorem a produtividade com incrível precisão, acompanhando as atividades nos mínimos detalhes. Só porque isso é possível, não significa que seja desejável ou humano. Queremos, por exemplo, medir o tempo que as pessoas demoram para ir ao banheiro e depois usar isso como parte da medição de sua produtividade ou valor para a organização? Embora os arranjos de trabalho flexíveis sejam bons para o funcionário e seu equilíbrio entre vida pessoal e profissional, os contratos de zero hora ou apenas de plantão são potencialmente exploradores - como você oferece flexibilidade ética? À medida que colocamos mais dispositivos robóticos no lugar, como podemos ter certeza de que como e onde fazemos isso não estamos reforçando o viés inconsciente? 

Dada a importância do RH para manter a organização funcionando de forma eficiente e eficaz - e com as ferramentas e dados para tomar as decisões certas e demonstrar valor - os diretores de RH são agora algumas das pessoas mais vitais no C-suite. Com uma compreensão mais profunda dos dados, eles podem contribuir enormemente para criar e manter um ambiente de trabalho produtivo e ético.

 

Por Andy Campbell
Diretor de estratégia HCM da Oracle